Neste texto vou apenas reproduzir o que escreveu o jornalista Adriano Silva, no artigo “Aproveite bem o seu dia“, na revista Exame, em 04/06/2009, e explodiu na internet pelos e-mails a fora, citando-se ou não a fonte (é uma pena quando não se dá o devido crédito ao autor…). Ou melhor, como não consigo só reproduzir, vou dar meus “pitacos” logo após. E fazer quase uma continuação da minha reflexão sobre o tempo.

“Aí um dia você toma um avião para Paris, a lazer ou a trabalho, em um vôo da Air France, em que a comida e a bebida têm a obrigação de oferecer a melhor experiência gastronômica de bordo do mundo, e o avião mergulha para a morte no meio do Oceano Atlântico. Sem que você perceba, ou possa fazer qualquer coisa a respeito, sua vida acabou. Numa bola de fogo ou nos 4 000 metros de água congelante abaixo de você naquele mar sem fim. Você que tinha acabado de conseguir dormir na poltrona ou de colocar os fones de ouvido para assistir ao primeiro filme da noite ou de saborear uma segunda taça de vinho tinto com o cobertorzinho do avião sobre os joelhos. Talvez você tenha tido tempo de ter a consciência do fim, de que tudo terminava ali. Talvez você nem tenha tido a chance de se dar conta disso. Fim.

Tudo que ia pela sua cabeça desaparece do mundo sem deixar vestígios. Como se jamais tivesse existido. Seus planos de trocar de emprego ou de expandir os negócios. Seu amor imenso pelos filhos e sua tremenda incapacidade de expressar esse amor. Seu medo da velhice, suas preocupações em relação à aposentadoria. Sua insegurança em relação ao seu real talento, às chances de sobrevivência de suas competências nesse mundo que troca de regras a cada seis meses. Seu receio de que sua mulher, de cuja afeição você depende mais do que imagina, um dia lhe deixe. Ou pior: que permaneça com você infeliz, tendo deixado de amá-lo. Seus sonhos de trocar de casa, sua torcida para que seu time faça uma boa temporada, o tesão que você sente pela ascensorista com ar triste. Suas noites de insônia, essa sinusite que você está desenvolvendo, suas saudades do cigarro. Os planos de voltar à academia, a grande contabilidade (nem sempre com saldo positivo) dos amores e dos ódios que você angariou e destilou pela vida, as dezenas de pequenos problemas cotidianos que você tinha anotado na agenda para resolver assim que tivesse tempo. Bastou um segundo para que tudo isso fosse desligado. Para que todo esse universo pessoal que tantas vezes lhe pesou toneladas tenha se apagado. Como uma lâmpada que acaba e não volta a acender mais. Fim.

Então, aproveite bem o seu dia. Extraia dele todos os bons sentimentos possíveis. Não deixe nada para depois. Diga o que tem para dizer. Demonstre. Seja você mesmo. Não guarde lixo dentro de casa. Nem jogue seu lixo no ambiente. Não cultive amarguras e sofrimentos. Prefira o sorriso. Dê risada de tudo, de si mesmo. Não adie alegrias nem contentamentos nem sabores bons. Seja feliz. Hoje. Amanhã é uma ilusão. Ontem é uma lembrança. Só existe o hoje.”

Brilhantemente, o jornalista Adriano Silva descreve neste texto uma boa maneira de se viver o momento, o presente. Não foi à toa que o texto foi replicado na web. E mesmo sabendo que é um clichê, digo que o jornalista repete por escrito o que cantou Renato Russo, que “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã”, é preciso ser honesto consigo mesmo, é preciso ter coragem de assumir o que se gosta ou não, de quem se gosta ou não, o que se pensa, o que se concorda ou discorda.

Também não é para ser como o “Super Sincero“, personagem de Luiz Fernando Guimarães no quadro com o mesmo nome, no Fantástico. A “supersinceridade” pode trazer malefícios, pode soar rude e agressiva em muito momentos. Bom senso, porém, não faz mal a ninguém (para tudo, aliás). Não se deve agredir (com palavras, lógico) apenas para ser sincero. Se não for relevante, importante, conveninente, muitas vezes o silêncio vale mais que mil palavras. Agora, se for para lhe fazer mal, diga, exponha, rasgue o verbo. Fale hoje!

E, só para linkar com o tema, o hoje, vale ler o pequeno texto “O Brasil é o país do presente“, do jornalista Eduardo Salgado, publicado ontem (05/07/2009), no mesmo portal, da revista Exame.

Se somos o país do presente (finalmente!) e se o importante é o hoje. Façamos algo, mexamo-nos, reajamos!, por nós mesmos, pelos que amamos, pela cidade, pelo país, pelo planeta, pelo futuro, pelo presente, POR HOJE.

O que você tem feito?


leia mais

Dê um pouco do seu tempo para o texto a seguir:

“Cadê a previsão do tempo? Não deu tempo de fazer. Me dá um tempo, então! No meu tempo não se dizia isso. Pra mim não tem tempo ruim, farei eu mesmo. Faria, se eu deixasse você usar esse tempo verbal. Em tempo, façamos nós. Se fizermos juntos, será como música cantada fora do tempo. Nem se for uma parceria temporária? Sim, e faz tempo que penso isso. Ah, dá um tempo!”

Imagine esse texto sem a palavra “tempo“. Poderia ser mais ou menos assim:

“Cadê a previsão do clima? Não tive disponibilidade para fazer. Me deixe, então! Na minha época não se dizia isso. Pra mim não há problema, farei eu mesmo. Faria, se eu deixasse você usar o futuro do presente. Aliás, façamos nós. Se fizermos juntos, será como música cantada fora de compasso. Nem se for uma parceria provisória? Sim, e há anos que penso isso. Ah, me deixe!”

Segundo o dicionário Houaiss, o tempo é, entre outras 16 definições, a “duração relativa das coisas que cria no ser humano a ideia de presente, passado e futuro”. Tempo é exatamente o que não tenho para escrever este texto, porém, acreditei naquela famosa frase “O tempo é a gente que faz” — e o fiz.


leia mais

Pensar e não escrever é como guardar uma lâmpada sob uma caixa, privando todos de sua luz.

Lápide

Lápide

Não consigo não pensar. Não consigo não escrever o que penso. Não consigo colocar a caixa sobre a lâmpada. Não expressar o que se pensa é guardar para si algo que ao ser compartilhado não se divide, se multiplica: o saber.

Ainda que saiba quase nada, tenho que escrever, que multiplicar, que iluminar — ainda que seja como um único fósforo. Ao menos para retribuir o muito que aprendo, o muito que sou iluminado pelos que me cercam, pelos que leio.

Escrevo para construir uma pequenina obra, para seguir o conselho de Mário Quintana, cuja frase deixou recomendada para gravar em sua lápide: “Eu não estou aqui…“. E não está mesmo, está em suas obras, multiplicando… e iluminando ainda.


leia mais