Thanksgiving, ação de graças

Sou grato neste Dia de Ação de Graças por muitas coisas nestes últimos 12 meses.
Sem dúvida, tenho imensamente mais a agradecer que a lastimar.

Fazer parte do maior Dia Mundial de Conscientização do Autismo da história do Brasil foi cansativo, mas muito gratificante. Os feitos da Revista Autismo e do nosso recém-batizadoaMAIS (um grupo de apoio a pais de autistas) foram fantásticos. Têm sido.

Ter tido a experiência de imersão com o estadunidense Eric Hamblen (descrita neste blog) foi transformador para minha família. E por este último fato, seremos eternamente gratos ao casal-amigo André & Marie, que inclusive foram nossos “intérpretes de luxo”.

Pronunciar-me no Senado Federal — e dizer o que os senadores não queriam escutar sobre autismo foi bom. Poder contribuir com os documentários (o da MTV e o do cineasta Marco Rodrigues) e o videoclipe sobre autismo, foi ótimo. Continue lendo “Thanksgiving, ação de graças”

Brasil terá a primeira revista sobre autismo da América Latina

Capa da edição de lançamento da Revista Autismo, a número zero, de setembro/2010
Capa da edição de lançamento da Revista Autismo

O Brasil está prestes a ter a primeira revista sobre autismo em toda a América Latina e a única em língua portuguesa no mundo. Neste mês de agosto (2010), será lançada a Revista Autismo e o site RevistaAutismo.com.br com muito material sobre o assunto. Também no Twitter a publicação tem um canal para divulgação e interação (@RevistaAutismo).


A revista será impressa, de circulação nacional e gratuita. Haverá também uma versão eletrônica, online com 100% do conteúdo, além de material extra para ser compartilhado, com acesso irrestrito. O objetivo é levar informação a profissionais e principalmente a pais envolvidos com o autismo, ajudando essencialmente aos que não têm acesso à internet (ou habilidade com a tecnologia), além de democratizar a informação sobre autismo e conscientizar a sociedade sobre essa tão complexa síndrome, que precisa urgente de políticas de saúde pública.

Abril é o mês do autismo, a maior epidemia do mundo atualmente

Símbolo do Dia Mundial de Conscientização do Autismo
Símbolo do Dia Mundial de Conscientização do Autismo

Com números alarmantes, evento decretado pela ONU foilembrado por Obama e grandes monumentos no dia 2

A maior epidemia do planeta atualmente. Assim é descrito o autismo por autoridades no assunto nos Estados Unidos e na Europa. No Brasil não há estatística sobre a síndrome, apenas uma estimativa de 2007: quando o país tinha uma população de cerca de 190 milhões de pessoas, havia aproximadamente um milhão de casos de autismo, segundo o Projeto Autismo, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, da Universidade de São Paulo.

Os números impressionaram com o salto de um caso a cada 2.500 crianças na década de 1990, para o número assustador de uma criança com autismo a cada 110 nascidos em média. Os números são de dezembro de 2009, segundo o CDC (Centers of Deseases Control and Prevention), do governo dos Estados Unidos. No mundo, segundo a ONU, acredita-se ter mais de 70 milhões de pessoas com autismo, afetando a maneira como esses indivíduos se comunicam e interagem. A incidência em meninos é maior, tendo uma relação de quatro meninos para uma menina com autismo. Na Inglaterra, há estudos de que o número possa ser de uma criança autista a cada 58 nascidos, segundo estudo da Universidade de Cambridge – que anteriormente era de um a cada cem. Continue lendo “Abril é o mês do autismo, a maior epidemia do mundo atualmente”

No Dia do Autismo, 2 de abril, ONU pede conscientização e inclusão

O Brasil não tem estatística sobre o autismo, mas nos Estados Unidos e Europa já se fala sobre a maior epidemia do mundo, saltando de um caso a cada 2.500 pessoas na década de 1990, para o número assustador atual de uma pessoa com autismo a cada 120. Estimou-se em 2007 que no Brasil, país com uma população de cerca de 190 milhões de pessoas naquele ano, havia cerca de 1 milhão de casos de autismo, segundo o Projeto Autismo, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, da Universidade de São Paulo. No mundo, há mais de 35 milhões de pessoas com autismo, afetando a maneira como esses indivíduos se comunicam e interagem.

A fim de alertar o planeta para essa tão séria questão, a ONU (Organização das Nações Unidas) criou em 2008 o Dia Mundial da Conscientização do Autismo (World Autism Awareness Day), no dia 2 de abril de cada ano. Para 2010, o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, destacou a importância da inclusão social. “Lembremo-nos que cada um de nós pode assumir essa responsabilidade. Vamos nos unir às pessoas com autismo e suas família para uma maior sensibilização e compreensão”, disse ele na mensagem deste ano, mencionando ainda a complexidade do autismo, que precisa de muita pesquisa. Vários monumentos e grandes construções ao redor do mundo se propuseram a iluminar-se de azul como manifestação em favor dessa conscientização no dia 2, como o prédio Empire State, em Nova York, nos Estados Unidos.

Continue lendo “No Dia do Autismo, 2 de abril, ONU pede conscientização e inclusão”

Carpe Diem, do latim, aproveite o dia

Neste texto vou apenas reproduzir o que escreveu o jornalista Adriano Silva, no artigo “Aproveite bem o seu dia“, na revista Exame, em 04/06/2009, e explodiu na internet pelos e-mails a fora, citando-se ou não a fonte (é uma pena quando não se dá o devido crédito ao autor…). Ou melhor, como não consigo só reproduzir, vou dar meus “pitacos” logo após. E fazer quase uma continuação da minha reflexão sobre o tempo.

“Aí um dia você toma um avião para Paris, a lazer ou a trabalho, em um vôo da Air France, em que a comida e a bebida têm a obrigação de oferecer a melhor experiência gastronômica de bordo do mundo, e o avião mergulha para a morte no meio do Oceano Atlântico. Sem que você perceba, ou possa fazer qualquer coisa a respeito, sua vida acabou. Numa bola de fogo ou nos 4 000 metros de água congelante abaixo de você naquele mar sem fim. Você que tinha acabado de conseguir dormir na poltrona ou de colocar os fones de ouvido para assistir ao primeiro filme da noite ou de saborear uma segunda taça de vinho tinto com o cobertorzinho do avião sobre os joelhos. Talvez você tenha tido tempo de ter a consciência do fim, de que tudo terminava ali. Talvez você nem tenha tido a chance de se dar conta disso. Fim.

Tudo que ia pela sua cabeça desaparece do mundo sem deixar vestígios. Como se jamais tivesse existido. Seus planos de trocar de emprego ou de expandir os negócios. Seu amor imenso pelos filhos e sua tremenda incapacidade de expressar esse amor. Seu medo da velhice, suas preocupações em relação à aposentadoria. Sua insegurança em relação ao seu real talento, às chances de sobrevivência de suas competências nesse mundo que troca de regras a cada seis meses. Seu receio de que sua mulher, de cuja afeição você depende mais do que imagina, um dia lhe deixe. Ou pior: que permaneça com você infeliz, tendo deixado de amá-lo. Seus sonhos de trocar de casa, sua torcida para que seu time faça uma boa temporada, o tesão que você sente pela ascensorista com ar triste. Suas noites de insônia, essa sinusite que você está desenvolvendo, suas saudades do cigarro. Os planos de voltar à academia, a grande contabilidade (nem sempre com saldo positivo) dos amores e dos ódios que você angariou e destilou pela vida, as dezenas de pequenos problemas cotidianos que você tinha anotado na agenda para resolver assim que tivesse tempo. Bastou um segundo para que tudo isso fosse desligado. Para que todo esse universo pessoal que tantas vezes lhe pesou toneladas tenha se apagado. Como uma lâmpada que acaba e não volta a acender mais. Fim.

Então, aproveite bem o seu dia. Extraia dele todos os bons sentimentos possíveis. Não deixe nada para depois. Diga o que tem para dizer. Demonstre. Seja você mesmo. Não guarde lixo dentro de casa. Nem jogue seu lixo no ambiente. Não cultive amarguras e sofrimentos. Prefira o sorriso. Dê risada de tudo, de si mesmo. Não adie alegrias nem contentamentos nem sabores bons. Seja feliz. Hoje. Amanhã é uma ilusão. Ontem é uma lembrança. Só existe o hoje.”

Brilhantemente, o jornalista Adriano Silva descreve neste texto uma boa maneira de se viver o momento, o presente. Não foi à toa que o texto foi replicado na web. E mesmo sabendo que é um clichê, digo que o jornalista repete por escrito o que cantou Renato Russo, que “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã”, é preciso ser honesto consigo mesmo, é preciso ter coragem de assumir o que se gosta ou não, de quem se gosta ou não, o que se pensa, o que se concorda ou discorda.

Também não é para ser como o “Super Sincero“, personagem de Luiz Fernando Guimarães no quadro com o mesmo nome, no Fantástico. A “supersinceridade” pode trazer malefícios, pode soar rude e agressiva em muito momentos. Bom senso, porém, não faz mal a ninguém (para tudo, aliás). Não se deve agredir (com palavras, lógico) apenas para ser sincero. Se não for relevante, importante, conveninente, muitas vezes o silêncio vale mais que mil palavras. Agora, se for para lhe fazer mal, diga, exponha, rasgue o verbo. Fale hoje!

E, só para linkar com o tema, o hoje, vale ler o pequeno texto “O Brasil é o país do presente“, do jornalista Eduardo Salgado, publicado ontem (05/07/2009), no mesmo portal, da revista Exame.

Se somos o país do presente (finalmente!) e se o importante é o hoje. Façamos algo, mexamo-nos, reajamos!, por nós mesmos, pelos que amamos, pela cidade, pelo país, pelo planeta, pelo futuro, pelo presente, POR HOJE.

O que você tem feito?